O que faz um Oficial de Inteligência

8/07/2016

AnalistaNo fim de maio, a Associação Nacional dos Oficiais de Inteligência entrou com pedido de concurso para Oficiais no Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão. Com a perspectiva (e esperança) de um novo concurso, resolvemos também falar um pouco da carreira, do perfil dos profissionais que desejam trabalhar nela, e das atribuições  do Oficial de Inteligência.

De modo geral, a Inteligência produz informações, que chamamos de ‘conhecimento de Inteligência’. Esses conhecimentos são destinados à tomada de decisão seja na esfera política, seja na esfera executora ou também chamada tática.

A definição da Lei do Sisbin é um pouco genérica, por isso, esperamos apresentar algumas das tarefas do dia a dia do Oficial,  que podem ser resumidas assim:

1. PRODUÇÃO DE CONHECIMENTOS DE INTELIGÊNCIA – Essa é a tarefa que executamos para produzir análises mais sólidas e com menos incertezas para os decisores. Aqui, a intenção é identificar lacunas de informações para serem preenchidas e, a partir daí, produzir conhecimentos em diversos temas.  O Oficial faz análises, interpretações e sínteses de informações – inclusive em outros idiomas – para descrever ou explicar um tema de interesse. Esse tema pode ser dado por ordem da Presidência da República, por orientação das políticas nacionais ou por iniciativa do Oficial ao identificar a importância daquele tema no contexto de tomada de decisão brasileiro.

2. AÇÕES DE SALVAGUARDA DE ASSUNTOS SENSÍVEIS – Nessa tarefa, são executadas análises para avaliar o risco ou o interesse adverso (contrários aos interesses do Brasil) a focos específicos: locais, informações ou eventos que devem ser preservados e protegidos. Essa é uma ferramenta muito importante para a área de contrainteligência, do combate à espionagem e à sabotagem, por exemplo.
A partir dessas análises, então, são sugeridas medidas e ações para aumentar a segurança para proteger tais focos.

3. OPERAÇÕES DE INTELIGÊNCIA – Essas são ações voltadas para buscar informações que não estão disponíveis com um “Google” ou com uma pesquisa em fontes que são disponíveis para qualquer cidadão. Esse trabalho específico geralmente é de natureza reservada, e tem objetivo de buscar informações diferenciadas para preencher as lacunas que faltam para a produção do conhecimento de Inteligência, ou para dar detalhes que possam fortalecer as análises feitas, de forma a trazer mais segurança na tomada de decisão e nas ações subsequentes.

4. ATIVIDADES DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO OU TECNOLÓGICO – Também há uma área especializada em atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico. Ela está voltada para segurança da informação, e busca conhecer e desenvolver ferramentas para o trabalho de Inteligência, tais como criptografias e métodos de detecção e de bloqueio de invasões.

5. DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS PARA A ATIVIDADE DE INTELIGÊNCIA – outra atribuição do Oficial de Inteligência é a formação e capacitação em Inteligência de modo continuado, tanto para servidores da Abin como para servidores das áreas de Inteligência dor órgãos e unidades dos Sistema Brasileiro de Inteligência. Lá, a função rotineira é se manter atualizado com os temas e metodologias usados na Inteligência e ministrar aulas e palestras não só no curso de formação, mas em cursos especializados.

Embora sejam áreas diferentes, e com habilidades exigidas diferentes, existem algumas semelhanças no perfil geral do Oficial de Inteligência e vamos falar sobre esse perfil nos próximos posts.

#aofi #oficialdeinteligencia #concurso #carreira #InteligenciadeEstado

Share This